top of page

  Acontece na Paróquia  

  • Katia Pazini PASCOM Santa Teresinha

Série | Pastoral de Conjunto: o que é e como começou?


Nossa Paróquia definiu em assembleia de coordenadores que a Pastoral de Conjunto será a prioridade a ser trabalhada em nossa comunidade, pelo segundo ano consecutivo. Por isso, é necessário que entendamos melhor o que ela significa para que possamos vivenciá-la. Realizaremos uma série de textos para facilitar a compreensão. Nesta primeira parte, vamos conceituá-la e falar um pouco de sua história.


A PASTORAL DE CONJUNTO, também chamada de Pastoral Orgânica, não é uma nova pastoral a ser implantada na Igreja, nem uma Pastoral específica alinhada às outras pastorais como a da Saúde, a do Menor, dentre tantas. Nasceu na trilha de renovação eclesial efetuada pelo Concílio Vaticano II, a partir da compreensão de que a Igreja é uma


rede de comunidades de irmãos e irmãs, cuja ação pastoral se dá de forma articulada. Trata-se de uma mentalidade, um espírito que norteia a ação evangelizadora das dioceses. Devemos entendê-la como um esforço de aglutinação e articulação de metas e princípios na ação evangelizadora. À Pastoral de Conjunto, cabe a tarefa de promover a unidade na Igreja. Estabelecer o alicerce da estrutura pastoral calcada numa espiritualidade de comunhão. Em Puebla, em 1979, o episcopado latino-americano assim definiu a Pastoral de Conjunto: ação global, orgânica e articulada, que a comunidade eclesial realiza sob a direção do bispo, destinada a levar todos os membros à plena comunhão de vida com Deus.


Vale lembrar que, já em 1966, a CNBB elaborou o primeiro “Plano de Pastoral de Conjunto” (1966-1970), que propunha seis linhas de trabalho, atualmente conhecidas como dimensões. Esse plano foi o embrião das atuais “Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora”. Servem para solidificar as bases de uma Igreja que testemunha a comunhão e ajuda a construir uma sociedade solidária, de forma orgânica. O objetivo da Pastoral de Conjunto não é padronizar as pastorais nem desfigurar a variedade dos dons, carismas e serviços presentes nas comunidades. A busca da unidade não abafa a criatividade nem a ação do Espírito Santo. Cada grupo ou movimento eclesial, com sua espiritualidade e objetivos específicos, coloca-se em sintonia com as metas que a Igreja, como um todo, deseja alcançar.


Assim se configura a espinha dorsal na qual, fraternalmente, equilibram-se os membros do Corpo de Cristo, que é a Igreja, dispostos a caminhar numa perspectiva da pastoral orgânica: aposta-se na eficácia dos Conselhos de Pastorais como instrumento articulador da evangelização; estudam-se e aplicam-se os planos pastorais das dioceses; renuncia-se às interpretações pessoais, ao subjetivismo; abandona-se o espírito de “grupismo”, as pastorais isoladas são reconduzidas ao núcleo de uma ação missionária pautada pela sociedade e pela ajuda mútua; desmonta-se um possível clima de competição e concorrência entre as pastorais. O estabelecimento de metas comuns na evangelização, aplicadas com criatividade, senso de comunhão e pertencimento à Igreja, pode concretizar o ideal de “unidade na diversidade”. As diferenças de leitura e interpretação, necessárias à contextualização dos planos nas distintas realidades nas quais estamos inseridos, são insignificantes diante da fé comum que professamos.

Mas só planejamento e organização não são suficientes. Cumprir o que se planeja é um


bom começo, mas não é tudo. Nem tudo que planejamos e colocamos no papel produz os frutos esperados. O Espírito Santo nos reserva surpresas e é bom que estejamos preparados para acolhê-las. O plano pastoral mais perfeito do mundo pode resultar em nada, se o Espírito que o anima não nascer da caridade pastoral de Cristo, Bom Pastor. Ele é o nosso “programa”. Sua pastoral consiste fundamentalmente em sair à procura da ovelha perdida. Ainda estamos bem distantes da transparência e do vigor que impregnavam cada palavra e gesto de Jesus Cristo. Ele era o que anunciava. Sua pastoral era organizada e articulada de acordo com os planos e a vontade do Pai, sem mediações. Nós precisamos de reuniões, assembleias, planejamentos, consultas e assessorias. E, nesse sentido, os planos pastorais elaborados em nossas dioceses, a partir das diretrizes da CNBB, serão sempre um rascunho dos nossos sonhos, mantendo acesa a chama do desejo de levar as pessoas à plena comunhão de vida com Deus.

No próximo texto, serão abordados aspectos práticos da Pastoral de Conjunto. Acompanhe!

2.801 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo
Notícias em Destaque
Arquivo
bottom of page